fbpx

BLOG

Responsabilidade Profissional

Justificar tragédias como "vontade divina" tira da gente a responsabilidade por nossas escolhas.”

Umberto Eco

Os Profissionais Médicos Veterinários no momento do atendimento firmam um contrato entre as partes e estabelecem a reciprocidade de obrigações, onde o profissional oferece os meios de tratamento e a diligência nos procedimentos, e o proprietário arca com os honorários e com a responsabilidade de seguir as orientações do profissional.

Dessa forma é esperado que esse atendimento deva ser solícito, atencioso, pronto, eficaz, diligente, prudente, pois o respeito que o proprietário deve ao M.V só continuará justificado se souber que o mesmo é capaz e responsável.

Considerando que a ciência do M.V. é incerta, conjectural, apoiando-se em observação direta de um paciente irracional e informações apresentadas por um proprietário nem sempre consciente, onde muitas vezes já se praticou uma “empurroterapia de balcão”, nesse contexto é natural que existam equívocos logo de entrada, o dito “erro honesto”, agora o clínico experiente aprimora e corrige seu diagnóstico no decorrer do tratamento observando a evolução do quadro e a eficiência da terapêutica instituída.

Como o diagnóstico não é uma operação matemática, e sim uma emissão de juízo, depois de efetuada a anamnese e o exame direto do paciente, convém ser refeita a arguição do proprietário e que todo o processo clínico seja realizado com o maior zelo e diligência, uma vez que é desse momento que advém o “contrato”, o preenchimento do prontuário do paciente e a satisfação inicial do proprietário, todas elas as principais ferramentas para defesa do profissional.

Negligência

É definição de vernáculo que negligência é descuidar-se, é ser desleixado, desmazelado, é incorrer em incúria, é entendimento cediço de que a negligência médica é caracterizada pela inação, indolência, passividade, inércia, é em suma um ato omissivo.

Caracteriza a negligência a troca de prontuários ou exames ou mesmo medicamentos; a eventual cirurgia em lado errado do paciente; a demora no encaminhamento a especialista; a demora em internar paciente com quadro urgente; o diagnóstico falho por exame superficial; o retardamento em intervenção cirúrgica;, esquecimento qualquer objeto no corpo do paciente; medicação injetável que cause lesão nervosa com posterior claudicação; prescrição sem consulta pessoal ao paciente.

Todos os exemplos apontados foram objeto de condenação em processos de responsabilidade contra médicos e também contra Médicos Veterinários.

O M.V. deve atentar para as “Consultas por telefone”, internet e outras, as olhadinhas, os atendimentos feitos em balcões de lojas, em suma prescrições sem o devido exame do paciente, pois um proprietário insatisfeito e mal intencionado pode buscar a “vingança” no judiciário e, certamente, numa petição inicial bem formulada, um fato clínico sem muitas explicações, uma lesão irreparável, a comprovação do nexo de causalidade, e um pedido mais pesado na ação poderá causar um grande estrago no patrimônio do profissional que foi amealhado nos anos de trabalho honesto.

Imprudência

Socorrendo-se de um dicionário encontramos que imprudente é aquele ato contrário a prudência.

Já prudência é a qualidade de quem age com comedimento, buscando evitar tudo o que julga fonte de erro ou de dano, é agir com cautela, precaução.

Miguel Kfouri Neto afirma que na imprudência existe culpa comissiva, e age com imprudência o profissional que tem atitudes não justificadas, açodadas, precipitadas, sem usar de cautela1.

O bom profissional, prudente, tendo experiência, antevê o evento que deriva de suas ações e toma as medidas necessárias para evitar o insucesso.

Imprudente é o cirurgião que não espera o anestesista para iniciar a cirurgia e causa uma parada cardíaca no paciente; ou o anestesista que realiza anestesias simultâneas, ou mesmo o anestesista que estima visualmente o peso de um paciente; a pressa em terminar um ato cirúrgico encurtando em muito seu tempo; todos são comportamentos que questionados na justiça condenaram médicos a indenização e podem muito bem serem aplicadas na Medicina Veterinária.

Imperícia

Novamente buscamos no ”AURÉLIO” a definição básica do termo e lá encontramos que essa é a qualidade do imperito, daquele que não tem habilidade.

Também é de Miguel Kfouri Neto a afirmação de que ela é a falta de observação das normas, deficiência de conhecimentos técnicos e rudimentares da profissão2, o despreparo prático que acarreta a falta de habilidade exigida numa profissão.

O profissional que emprega meio de tratamento já abandonado; o cirurgião que perfura alça intestinal, bexiga, ou o útero durante o ato cirúrgico; a ruptura de reto durante a palpação retal em grandes animais; a insistência em parto normal quando já existe o sofrimento fetal e, portanto, a indicação para cesariana; o M.V. que pratica a OSH e a fêmea volta a manifestar o cio e outros.

É entendimento minoritário, com o qual concordamos, de que o profissional nunca é imperito, pois possui a qualificação técnica, a formação acadêmica, entretanto ele é, em suma, imprudente, pois atua em área onde não é especialista.

Somente diante do fato concreto é que se pode precisar o ato e avaliar a situação, proferindo então um juízo, muitas vezes pode parecer que coexistam os três tipos, entretanto somente um deles resiste e imputa culpa ao profissional.

Dr. José Alfredo Dallari Junior, Médico Veterinário formado pela UNESP – BTU (88) , Advogado formado pela FA J - Jaguariúna (2011) , e pós-graduado em Administração e Marketing pela USF – Itatiba (2000). Possui formação em Coaching e é Especialista em Direito Médico Veterinário.

Contatos: dallarijr@gmail.com

WhatsApp: (19) 9.9638.4448

<-Voltar

Artigos Sugeridos

03 PILARES PARA SATISFAER E FIDELIZAR SEU CLIENTE

Por: maiscode /
Marketing / sem comentários / 11 outubro, 2020

Mudança de foco Para iniciarmos, preciso reiterar que você tem que mudar o foco. Foque no tutor, em criar uma conexão com ele e construir um relacionamento. Assim, será mais fácil ganhar a confiança dele e, consequente, fidelizar esse cliente.  Muitas vezes, nosso foco está mais no paciente. Por isso, é comum não atendermos as […]

Leia mais

Marketing pessoal: a importância da imagem para médicos veterinários

Por: maiscode /
Marketing / sem comentários / 09 maio, 2020

Anote esse conselho! Antes de ser um bom médico veterinário, seja um excelente ser humano. Parece óbvio, mas no dia a dia profissional, muitas vezes, esquecemos desse detalhe que, no final, faz toda a diferença na nossa interação com clientes e colaboradores. A questão é que pessoas fazem negócios com outras pessoas, não com empresas. […]

Leia mais

Comunicação assertiva fortalece o trabalho do médico veterinário

Por: maiscode /
Sem categoria / sem comentários / 27 março, 2020

Nelson Mandela uma vez falou que “se você falar com um homem numa linguagem que ele compreende, isso entra na cabeça dele. Se você falar com ele em sua própria linguagem, você atinge seu coração”. Muito forte essa reflexão, concorda? Mas, ela é perfeita para sintetizar o poder dessa habilidade. Grave isso na sua mente […]

Leia mais

Comente


Warning: Use of undefined constant php - assumed 'php' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/empreendevet/www/wp-content/themes/maiscode_empreendevet/footer.php on line 46